Bem-vindo(a). Hoje é Guarantã do Norte - MT

‘Foi violência física’, diz mulher que denunciou agressão no Qatar

‘Foi violência física’, diz mulher que denunciou agressão no Qatar
Compartilhe!

SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) – Paola Schietekat, que é mexicana, foi condenada a 100 chibatadas e a sete anos de prisão no Qatar -país que sediará a Copa do Mundo- após denunciar a agressão de um homem. Em entrevista ao Fantástico, da Globo, ela comentou sobre a situação que viveu no país do Oriente Médio.

“Estava no meu apartamento e fui agredida por alguém que eu conhecia. Eu o conhecia da comunidade latina, não há muitos latinos no Qatar. Foi violência física, me deixou com marcas no corpo”, disse.

Schietekat chegou a Doha, capital do Qatar, no início de 2020 para trabalhar como economista do Comitê Supremo, entidade encarregada de organizar a Copa do Mundo.

Ela conta que, quando procurou as autoridades para registrar sua queixa de agressão, o caso teve uma reviravolta. Paola foi acusada de “sexo extraconjugal” -manter uma relação sem ser casada. Segundo a Lei Sharia, do sistema jurídico do Islã, as vítimas de violência sexual podem ser processadas por adultério, prevendo a pena de 100 chibatadas e sete anos de cárcere.

Paola disse que o homem contou para as autoridades que eles tinham uma relação, o que não é verdade, para se livrar das acusações. Com isso, a jovem foi condenada com a pena prevista pelas leis islâmicas. Apesar disso, lhe foi dada uma alternativa para se livrar da pena: se casar com seu agressor.

Paola conseguiu deixar o Qatar no ano passado, antes de receber qualquer punição, mas desde então diz que a Justiça não foi feita em seu caso e que seu agressor permanece livre -ele não chegou nem a ser acusado.

No mês passado, ela recebeu uma boa notícia, o caso voltou para a promotoria e isso significa que ele pode ser arquivado.

A Fifa respondeu ao Fantástico, em nota, dizendo que Paola deve receber cuidados e assistência, e que continuará acompanhando o caso até que ele esteja completamente encerrado.

“O futebol ajuda no empoderamento feminino, reduz a delinquência juvenil e a violência. A Fifa teme que as pessoas politizem o futebol, mas futebol é política e é uma ferramenta superimportante”, completou.

A Copa do Mundo do Qatar acontece no final deste ano, entre 21 de novembro e 18 de dezembro.

Notícias ao Minuto Brasil – Esporte
Read More

LIVE OFFLINE
track image
Loading...